Desde o dia 1 de março os brasileiros já podem enviar sua declaração de imposto de renda. O prazo máximo para envio é o dia 30 de abril.

Mas há algumas formas de garantir que você tenha que pagar menos para o Leão, ou até receber parte do seu dinheiro de volta.

 

Primeiramente, saiba quem deve emitir a declaração.

Se você não se enquadrar em nenhuma das opções abaixo, não precisará se preocupar com o Leão.

Também estão isentas do Imposto de Renda, segundo a Lei nº 7.713/88, as pessoas portadoras de doenças graves. Confira aqui quais as condições e tipos de doenças que se enquadram para isenção.

Mas caso se enquadre em pelo menos uma das opções abaixo, pode começar a preparar seus informes de rendimento.

Terá que emitir declaração quem:

> Recebeu mais de R$ 28.559,70 de renda tributável no ano (salário, aposentadoria ou aluguéis e etc);

> Ganhou mais de R$ 40 mil isentos (como indenização trabalhista ou rendimento de poupança);

> Teve ganho com a venda de bens (como imóveis);

> Vendeu e comprou um imóvel num prazo de 180 dias, usando a isenção de IR no momento da venda.

> Negociou ações na Bolsa;

> Recebeu mais de R$ 142.798,50 em atividade rural ou tem prejuízo rural a ser compensado no ano-calendário de 2017 ou nos próximos anos;

> Era dono de bens no valor de mais de R$ 300 mil;

> Passou a morar no Brasil em qualquer mês de 2017 e ficou aqui até 31 de dezembro;

E aí? Identificou alguma das opções no seu ano de 2017? Se a resposta for SIM, você terá que declarar o Imposto de Renda.

Algumas pessoas declaram e verificam que a quantia paga de impostos durante o ano foi maior que a devida. Nesse caso, receberão restituição conforme o calendário abaixo. Já outra pessoas ficam em dívida com o Leão e terão que pagar mais impostos.

Confira o calendário de recebimento do Imposto de Renda

Fonte: http://impostoderenda2018.net.br

Quem recebe primeiro?

Vale lembrar que primeiramente recebem suas restituições os idosos e pessoas com deficiência e doenças graves. Depois os pagamentos começam a ser feitos seguindo a ordem na qual as declarações foram emitidas. Ou seja, quando antes a declaração for feita, mais rápida será a restituição. E quem receber em lotes posteriores receberá sempre o valor corrigido pela taxa Selic.

Conheça algumas formas de pagar menos impostos ou restituir mais

Há alguns produtos e serviços que, quando adquiridos pelo contribuinte, podem ser utilizados para dedução no Imposto de Renda. Esses ítens podem ser utilizados por quem deseja pagar menos ao Leão ou receber uma restituição maior.

Para mudar o valor da dedução, o contribuinte deverá preencher o modelo completo da declaração. No modelo simplificado, o programa da Receita Federal já utiliza um desconto padrão de 20% da renda, limitado ao valor de R$ 16.754,34.

O ideal é o preenchimento do modelo completo e, ao final da declaração, aparecem as opções de restituição referentes ao modelo simples e ao completo. A partir daí o contribuinte pode optar pelo modelo mais rentável.

Mas para melhorar a porcentagem recebida no preenchimento do modelo completo, seguem 6 formas de dedução que podem ser inseridas na declaração:

1- Dependentes

Nesse tópico vale incluir todas as pessoas que dependam da sua renda. Como:

> cônjuge

> companheiro (a) (se o casal tiver filhos ou estiverem juntos a mais de 5 anos)

> filhos (comprovadamente incapazes, ou com até 21 anos, ou com até 24 anos se estiverem cursando algum curso técnico ou universidade)

> netos, bisnetos e irmão (eles devem ter as mesmas condições ou idade máxima estipulada para os filhos e devem ser dependentes unicamente do contribuinte, sem apoio financeiro dos pais)

> pais, avós e bisavós (só podem ser incluídos se a renda deles não ultrapassar o valor de R$ 22.847,00 contando aposentadoria, pensão, aluguel e etc.)

> sogros (nesse caso a declaração deve ser feita junto a do cônjuge e a regra é a mesma dos pais, ou seja, a renda da(o) sogra(o) não pode ultrapassar R$ 22.847,00 em 2017.)

Observação: a renda do dependente também deverá ser declarada e vai aumentar a base de cálculo do imposto. Então vale a pela simular sua declaração COM e SEM dependentes.

2- Despesas com educação

O contribuinte poderá declarar suas despesas com educação até o valor de R$ 3.561,50 por pessoa em 2017. Valem tanto suas despesas como as despesas dos dependentes. Apesar do valor máximo para dedução, na hora de declarar deve ser inserido o valor completo da despesa com educação.

Nesse quesito não serão deduzidas as despesas com material, transporte, cursinhos, atividades extracurriculares e etc.

3- Pensão alimentícia

Também podem ser restituídas integralmente as despesas com pensão alimentícia paga por ordem judicial. E o contribuinte ainda poderá incluir gastos com saúde e educação da pessoa para qual paga a pensão, caso tais despesas tiverem sido previstas judicialmente.

4- Despesas com previdência privada

O Brasileiro com trabalho registrado já tem descontado de seu salário porcentagens que são direcionadas para sua aposentadoria. Portanto, a pessoa que opta pelo pagamento de uma previdência privada para complementar sua renda futura também pode incluir essa despesa em sua declaração de imposto de renda.

Mas há algumas pegadinhas. Tais despesas só podem ser deduzidas se o plano de previdência for do tipo Fundo de Pensão de empresas ou do tipo PGBL (cujo rendimento se dá sobre o investimento como um todo).

Se o plano for VGBL (tributação apenas sobre os rendimentos), ele não poderá ser deduzido.

5- Despesas com INSS de empregado doméstico

Nesse caso o contribuinte só poderá declarar as despesas de um funcionário. Mesmo que possua mais.

O empregado deverá ter carteira assinada e o IR considerará deduções até um máximo de R$ 1.171,84 (recolhimento sobre o salário mínimo ao longo do ano, mais o décimo terceiro e um terço de férias). Aqui vale a mesma observação das despesas com educação: a despesa com empregado deve ser inserida em sua totalidade, mesmo que ultrapasse o valor máximo.

6- Despesas de profissionais autônomos

Segundo o site da UOL, se o contribuinte for um profissional autônomo e registrar em um livro caixa suas despesas com materiais para exercício de seu trabalho; com transporte (caso o veículo seja um instrumento de trabalho); gastos comprovados com congressos, simpósios e demais eventos que gerem despesas com inscrição, transporte e hospedagem.

Também podem ser declaradas as despesas com salários e encargos trabalhistas de empregados registrados, gastos com aluguel, água, luz, telefone, material de escritório, benfeitorias no imóvel e etc.

Se a pessoa trabalha em casa e essas contas se misturam, é possível deduzir até um quinto das despesas do imóvel. Nesse caso o contribuinte deverá guardar suas contas por cinco anos.

Faça aqui o download do programa para envio da declaração do IR.

Consulte aqui o andamento da sua restituição

Não se esqueça de simular qual opção é mais vantajosa para sua declaração antes de enviá-la. Após o envio, ainda será possível emitir uma declaração retificadora. Mas para evitar esse transtorno, simule antes do envio cenários como:

> declaração no modelo simples ou completo

> inclusão de dependentes ou não.

E BOA SORTE PRA GENTE!

comentários
 

Deixe seu comentário