Já era de se esperar. Sempre confiei nos meus bancos (Bancos do Brasil e Bradesco) e poucas vezes tive problemas com minhas contas. Mas a verdade é que nunca realmente prestei atenção aos meus extratos.

Foi quando vi uma matéria no Bom Dia Brasil dizendo que as reclamações contra bancos e suas cobranças de taxas, aumentaram 240%. Segundo o jornal, de janeiro a outubro de 2010 houveram 445 reclamações no banco central. Enquanto no mesmo período de 2011 as reclamações subiram para 1512.

Esse aumento me mostrou que mais pessoas estão conscientes quanto aos abusos dos bancos. E então me perguntei: Por que não eu?

Fui revisar meu extrato e lá estavam as TAXAS-MISTÉRIO. Elas podem ser vistas em pequenos aumentos, taxas cobradas em dobro, taxas de serviços que nunca foram prestados, taxas que nem os funcionários dos bancos sabem explicar…. enfim. São tantas as formas que até a análise mais apurada pode se enganar.

Como vocês podem ver na foto, além dos normais R$3,80 que os bancos me cobram pelo pacote de serviços da conta universitária, eles estão cobrando uma taxa de R$3,50 de uma tal TARIFA SMS. Serviço que nunca contratei.

Como o brasileiro é, muitas vezes desavisado, ou até mesmo conformado. O mais comum é que altas taxas sejam motivo de briga e pequenas cobranças sejam ignoradas.

Então fica a dica: COBREM ATÉ MESMO OS CENTAVOS.

Para começar que R$3,50 pode parecer pouco em um mês. Mas durante um ano esse valor será de R$42,00 sem contar os juros e correções monetárias perdidos.

Então pode parecer mesquinharia. Mas o dinheiro é seu! E enquanto várias pessoas perdem centavos, os bancos ganham bilhões que não são revertidos em benefícios para você. PENSEM NISSO!

Observem que, se a cobrança é indevida, o banco TEM que devolver o dinheiro com juros e correção monetária. Para isso vocês tem que fazer uma reclamação por escrito na agência. E se o banco não te responder ele estará infringindo a lei duas vezes.

Segundo Rosana Chiavassa (advogada especializada em direito do consumidor) o banco infringe a lei “primeiro porque cobrou algo “camuflado”, não identificado. Segundo porque se negou a informar”.

Se o banco não fizer nada siga essa ordem:

  1. PROCURE O BANCO CENTRAL
  2. DEPOIS O PROCON
  3. E POR ÚLTIMO RECORRA A JUSTIÇA.

Muitas vezes apenas uma ida ao banco central já resolverá o problema. Mas se não for assim, não deixem de tentar as próximas opções. A partir do ano que vem o Banco Central promete um plano de fiscalização. Mas até lá, cabe a cada um proteger o que é seu!

BOA SORTE PRA GENTE!

comentários
 

Deixe seu comentário